Após chegada de novo CEO, BS2 compra fintech Weel

bs2
Foto: Divulgação.

[et_pb_section fb_built=”1″ admin_label=”Título do Artigo – NÃO MEXER!” _builder_version=”4.9.5″ _module_preset=”default” background_image=”https://finsiders.com.br/wp-content/uploads/2021/05/BG-Live.png”][et_pb_row _builder_version=”4.9.4″ _module_preset=”default”][et_pb_column type=”4_4″ _builder_version=”4.9.4″ _module_preset=”default”][et_pb_post_title date_format=”d/m/Y” comments=”off” featured_image=”off” _builder_version=”4.9.4″ _module_preset=”default” title_font=”Montserrat||||||||” title_text_color=”#023146″ title_font_size=”40px” meta_font=”Montserrat||||||||” meta_font_size=”18px” text_orientation=”center” author__hover_enabled=”on|desktop”][/et_pb_post_title][/et_pb_column][/et_pb_row][/et_pb_section][et_pb_section fb_built=”1″ specialty=”on” _builder_version=”4.9.5″ _module_preset=”default”][et_pb_column type=”2_3″ specialty_columns=”2″ _builder_version=”3.25″ custom_padding=”|||” custom_padding__hover=”|||”][et_pb_row_inner _builder_version=”3.25″ background_size=”initial” background_position=”top_left” background_repeat=”repeat”][et_pb_column_inner saved_specialty_column_type=”2_3″ _builder_version=”3.25″ custom_padding=”|||” custom_padding__hover=”|||”][et_pb_post_title title=”off” meta=”off” force_fullwidth=”off” admin_label=”Imagem do artigo – NÃO MEXER!” _builder_version=”4.9.5″ _module_preset=”default”][/et_pb_post_title][et_pb_text admin_label=”Texto do Artigo” _builder_version=”4.9.6″ text_font=”Montserrat||||||||” background_size=”initial” background_position=”top_left” background_repeat=”repeat” text_orientation=”justified” hover_enabled=”0″ sticky_enabled=”0″]

O banco digital BS2 (antigo Bonsucesso) anunciou hoje a aquisição da fintech israelense Weel, com foco em antecipação de recebíveis. A operação, de valor não revelado, marca o avanço da instituição mineira em crédito para pequenas e médias empresas (PMEs), e é a primeira transação anunciada desde a chegada do novo CEO, Marcos Magalhães (ex-presidente da Rede), no início do mês passado.

Toda a equipe da fintech, fundada por Simcha Neumark, será incorporada ao BS2. O founder passará a atuar como executivo do banco, além de ocupar uma das cadeiras no conselho de administração — cuja meta é ter três membros independentes. A transação foi feita por meio de troca de ações. Então, os atuais investidores da Weel — que incluem monashees, Franklin Templeton, banco BV e Mindset Ventures — passam a ser acionistas do BS2.

Como uma instituição financeira mineira, o BS2 sempre foi mais ‘low profile’, mas a tendência é que isso mude com a chegada de Magalhães. “Ter movimentos como esse é algo que esperamos ter num ritmo mais natural”, diz, em entrevista exclusiva ao Finsiders.

Por mais que tenha desenvolvido uma plataforma digital com soluções financeiras para PMEs, o BS2 ainda não tinha muito bem construída a perna de crédito. Hoje, o banco fundado pela família Pentagna Guimarães tem uma carteira de cerca de R$ 8 bilhões em diversos segmentos. Para se ter uma ideia, ao final de 2020, a carteira era de R$ 4,1 bilhões, contra R$ 2,2 bilhões ao final de 2019, conforme os demonstrativos financeiros do banco. “Quando a gente vê o que a Weel traz ao segmento PME, estamos falando de uma carteira de quase R$ 500 milhões”, diz Magalhães.

Montar uma estrutura dentro de casa levaria algo como um ano e meio, diz Magalhães. Prazo inviável, dado o momento de aceleração do mercado e do avanço de competidores dispostos a capturar uma fatia do segmento de SMB (small and medium business). Foi aí que o banco começou um diálogo com a Weel, na segunda semana de Magalhães à frente da instituição. “A partir daí, entramos numa jornada de completude de produtos. Com foco o objetivo de o BS2 ser um neobank completo para PJ.”

Fundada em 2015 em Israel, a Weel oferece antecipação de recebíveis para PMEs com receita média anual de cerca de R$ 10 milhões, usando inteligência artificial e machine learning. No fim de 2020, a fintech atingiu R$ 1 bilhão em créditos concedidos, e reúne mais de 15 mil clientes em sua base.

“Quando vimos o que o BS2 tinha debaixo do capô, percebemos o quão isso é poderoso. A vantagem é que o banco tem muitos dados que não teríamos em ecossistema aberto”, explica Simcha Neumark, fundador e CEO da fintech, ao Finsiders. As sinergias são claras, diz ele. “O BS2 construiu algo poderoso em APIs para recebimentos, pagamentos, Pix, entre outras. E nós construímos algo poderoso em crédito, mas sempre tivemos restrição por não ser banco.”

A intenção do BS2 não é parar por aí para conseguir atrair as PMEs. “Temos cash management, Pix, emissão de boletos, transferências, adquirência, agora crédito no qual a gente se capacita. Mas vamos trabalhar com outros pilares”, diz Magalhães. O banco está trabalhando em novos produtos de seguros e de câmbio, adianta o executivo.

Vale lembrar que, em janeiro, a instituição lançou a conta internacional digital para PJ, com o objetivo de atender empreendedores e empresas que prestam serviços ou recebem pagamentos no exterior, funcionários de multinacionais, empresas do ramo de turismo e intercâmbio, gamers e influencers PJ, que recebam em moeda estrangeira, entre outros. Desde 2019, o BS2 tem essa modalidade para pessoa física.

No ano passado, o BS2 teve prejuízo de R$ 27,8 milhões, revertendo um lucro de R$ 11,5 milhões em 2019. O capital social do banco encerrou 2020 em R$ 508,6 milhões.

PME

O segmento de PMEs vem sendo cada vez mais assediado por bancos digitais e fintechs. Nomes, como BTG+ business, Original, InterNeon (com foco no MEI, principalmente) avançam com oferta para capturar as pequenas e médias empresas do pais. Isso sem contar algumas fintechs, entre elas, Cora, fundada por Igor Senra e Leonardo Mendes. A empresa, que levantou sua série A em abril, está colocando gasolina no tanque para oferecer crédito, como contou Senra ao Finsiders.

Além dela, concorrem nesse nicho o Linker, fundado pelos ex-executivos de bancos, Ingrid Barth (ex-JP Morgan e Neon), David Mourão (ex-Itaú e Vinci Partners) e Daniel Benevides (ex-Neon). A fintech começou com uma conta digital PJ, lançou o cartão de débito físico em 2020 e uma ferramenta de link de pagamentos, o LinkerPay. Captou um seed money em dezembro do ano passado, conforme antecipou o Finsiders à época, e deve fazer uma nova rodada este ano, apurou o Finsiders.

Já a Conta Simples, de Rodrigo Tognini (ex-Stone), também levantou uma rodada seed em 2020 de US$ 2,5 milhões, em aporte liderado pelo Quartz, veículo de Venture Capital cujo um dos investidores é a família de José Galló, charmain da Renner. A rodada teve participação dos fundos FJ Labs, Big Bets, Domo Invest, AbSeed e dos ex-sócios da XP Marcelo Maisonnave, Eduardo Glitz e Pedro Englert.

[/et_pb_text][et_pb_text admin_label=”TAGS – NÃO MEXER” _builder_version=”4.9.5″ _dynamic_attributes=”content” _module_preset=”default” text_font=”|600|||||||” text_text_color=”#023146″ link_font=”|600|||||||” link_text_color=”#023146″ locked=”off”]@ET-DC@eyJkeW5hbWljIjp0cnVlLCJjb250ZW50IjoicG9zdF90YWdzIiwic2V0dGluZ3MiOnsiYmVmb3JlIjoiVEFHUzogIiwiYWZ0ZXIiOiIiLCJsaW5rX3RvX3Rlcm1fcGFnZSI6Im9uIiwic2VwYXJhdG9yIjoiIHwgIiwiY2F0ZWdvcnlfdHlwZSI6InBvc3RfdGFnIn19@[/et_pb_text][/et_pb_column_inner][/et_pb_row_inner][/et_pb_column][et_pb_column type=”1_3″ _builder_version=”3.25″ custom_padding=”|||” custom_padding__hover=”|||”][et_pb_signup mailchimp_list=”Finsiders Brasil|d1e4d69294″ first_name_field=”off” last_name_field=”off” success_message=”E-mail Cadastrado!” title=”Os principais empreendedores, investidores e executivos do setor leem. Junte-se a eles:” button_text=”Inscrever-se” admin_label=”Cadastro na News” _builder_version=”4.9.5″ _module_preset=”default” header_text_align=”left” background_color=”#023146″ custom_button=”on” button_text_color=”#ffffff” button_bg_color=”#0c71c3″ button_border_width=”0px” border_radii=”on|4px|4px|4px|4px” locked=”off”][/et_pb_signup][et_pb_text admin_label=”Leia também” _builder_version=”4.9.5″ header_text_color=”#023146″ header_2_text_color=”#023146″ custom_margin=”||17px|||” locked=”off”]

Leia também:

[/et_pb_text][et_pb_blog fullwidth=”off” posts_number=”3″ include_categories=”current” meta_date=”d/m/Y” use_manual_excerpt=”off” show_more=”on” show_author=”off” show_date=”off” show_categories=”off” show_excerpt=”off” show_pagination=”off” admin_label=”Artigos relacionados” _builder_version=”4.9.5″ _module_preset=”default” header_font=”|700|||||||” header_text_color=”#333333″ read_more_font=”|700|||||||” read_more_text_color=”#023146″ border_radii=”on|10px|10px|10px|10px” border_width_all=”0px” box_shadow_style=”preset2″][/et_pb_blog][/et_pb_column][/et_pb_section][et_pb_section fb_built=”1″ _builder_version=”3.22″ custom_padding=”19px|||||”][et_pb_row column_structure=”1_3,2_3″ admin_label=”Autor” _builder_version=”4.9.5″ _module_preset=”default” custom_padding=”||0px|||” locked=”off”][et_pb_column type=”1_3″ _builder_version=”4.6.5″ _module_preset=”default”][et_pb_image src=”https://finsiders.com.br/wp-content/uploads/2020/10/Danylo-Martins-Fundador.png” title_text=”Danylo-Martins-Fundador” url=”https://www.linkedin.com/in/danylomartins/” url_new_window=”on” align=”center” _builder_version=”4.9.4″ _module_preset=”default” width=”54%”][/et_pb_image][/et_pb_column][et_pb_column type=”2_3″ _builder_version=”4.6.5″ _module_preset=”default”][et_pb_text _builder_version=”4.9.4″ text_font=”||||||||” text_text_color=”#333333″ text_font_size=”18px” header_text_color=”#ffffff” custom_margin=”17px|||||”]

Danylo Martins é jornalista com dez anos de cobertura de finanças, empreendedorismo e inovação no setor financeiro. Com MBA em mercado de capitais, é vencedor de quatro prêmios de jornalismo econômico e colabora com o jornal Valor Econômico há oito anos. Teve passagens por Folha de S.Paulo e revista Você S/A.

[/et_pb_text][/et_pb_column][/et_pb_row][/et_pb_section]

Tags:

Assine a newsletter
gratuita!

Os principais empreendedores, investidores e executivos do setor leem.
Junte-se a eles:

Siga nosso canal no WhatsApp!

Leia mais

Newsletter

Receba o Finsiders no seu e-mail