Maná Consórcio capta FIDC e prevê originar pelo menos R$ 50 milhões

Reprodução/site

[et_pb_section fb_built=”1″ admin_label=”Título do Artigo – NÃO MEXER!” _builder_version=”4.9.5″ _module_preset=”default” background_image=”https://finsiders.com.br/wp-content/uploads/2021/05/BG-Live.png”][et_pb_row _builder_version=”4.9.4″ _module_preset=”default”][et_pb_column type=”4_4″ _builder_version=”4.9.4″ _module_preset=”default”][et_pb_post_title date_format=”d/m/Y” comments=”off” featured_image=”off” _builder_version=”4.9.4″ _module_preset=”default” title_font=”Montserrat||||||||” title_text_color=”#023146″ title_font_size=”40px” meta_font=”Montserrat||||||||” meta_font_size=”18px” text_orientation=”center” author__hover_enabled=”on|desktop”][/et_pb_post_title][/et_pb_column][/et_pb_row][/et_pb_section][et_pb_section fb_built=”1″ specialty=”on” _builder_version=”4.9.5″ _module_preset=”default”][et_pb_column type=”2_3″ specialty_columns=”2″ _builder_version=”3.25″ custom_padding=”|||” custom_padding__hover=”|||”][et_pb_row_inner _builder_version=”3.25″ background_size=”initial” background_position=”top_left” background_repeat=”repeat”][et_pb_column_inner saved_specialty_column_type=”2_3″ _builder_version=”3.25″ custom_padding=”|||” custom_padding__hover=”|||”][et_pb_post_title title=”off” meta=”off” force_fullwidth=”off” admin_label=”Imagem do artigo – NÃO MEXER!” _builder_version=”4.9.5″ _module_preset=”default”][/et_pb_post_title][et_pb_text admin_label=”Texto do Artigo” _builder_version=”4.9.6″ text_font=”Montserrat||||||||” background_size=”initial” background_position=”top_left” background_repeat=”repeat” text_orientation=”justified”]

A Maná Consórcio, plataforma que facilita venda de cotas excluídas de consórcios, acaba de captar R$ 50 milhões em um FIDC, estruturado pela Riza Asset, destinado exclusivamente para compra de cotas de consórcio em andamento e com deságio. A notícia foi divulgada com exclusividade ao Finsiders. Com o novo veículo, a fintech prevê crescer as operações e adquirir 1,5 mil novos contratos nos próximos 12 meses, com expectativa de originar pelo menos R$ 50 milhões.

“Temos a tese de comprar cotas com deságio. Em paralelo, estamos construindo o mercado secundário para negociação de cotas de consórcio”, explica Felipe Miguel Silva, fundador e CEO da Maná Consórcio.

Reprodução/site

Advogado de formação, com pós em direito societário, o empreendedor foi sócio da boutique de M&A FGM Partners, estruturou uma venture builder e depois passou pela desenvolvedora de software Sciensa, antes de resolver fundar a Maná.

A ideia do negócio veio de uma dor pessoal. Ele teve muita dificuldade para vender uma cota de consórcio de carro que adquriu no passado e percebeu que havia oportunidade para construção de um secundário para o mercado de consórcios. Potencial de crescimento existe. No fim de 2019, o índice de exclusão chegou a 50,3%, conforme o relatório “Panorama de Sistema de Consórcios”, do Banco Central (BC).

Em grandes números, esse percentual representava à época um total de 7,3 milhões de cotas excluídas. Os dados de 2020 ainda não foram divulgados pela autoridade monetária.  O índice, historicamente, é alto. Entre o último trimestre de 2014 e o mesmo período de 2019, a exclusão média ficou em 49,8%. Antes da crise econômica, no intervalo entre 2011 e 2013, a média era ligeiramente menor (47%).

“Significa que a pessoa entrou, deixou de pagar e fica inadimplente perante o grupo. Apesar disso, tem um valor a receber contra a administradora. E muitas vezes, recebe só no final do grupo. Quando encerra o grupo, tem a taxa de retenção pelas administradoras”, aponta Felipe. É isso que a Maná Consórcio quer resolver.

No passado, a fintech chegou a originar cotas de consórcio para um FIDC, em parceria com a gestora SPS Capital. Durante 11 meses, a empresa fechou 700 contratos e R$ 28 milhões com pouca tecnologia embarcada, e apenas quatro pessoas no atendimento ao cliente. Desde o início da operação, já atendeu R$ 6,5 mil pessoas. Agora, com uma nova filial em Guarulhos, a startup pretende aumentar sua originação e alavancar suas operações.

“Estamos fazendo a primeira sessão de 70 contratos, mas o sonho é fazer escalável na plataforma e abrir para varejo. Cotas que temos dificuldade para colocar no FIDC, estamos disponbilizando para pessoas comprarem, usando tecnologia, para escalar.”

Mercado secundário

O FIDC recém-captado representa a liquidez necessária para um sonho maior, diz ele, que é construir o secundário organizado do mercado de consórcios. O projeto foi submetido ao sandbox regulatório do BC. Pelas regras do ambiente experimental da autoridade monetária, serão escolhidos entre dez e 15 projetos. A startup torce para ser um deles, mas segue desenvolvendo sua plataforma nesse sentido.

“Estamos com conversas bem avançadas com B3 para fazer isso a quatro mãos”, revela o empreendedor.

A plataforma da fintech usa blockchain e seleciona a cota com filtros: por administradora, rating da administradora, preço, prazo de encerramento do grupo, rentabilidade, tipo de cota (moto, auto, imóvel, eletroeletrônicos e serviços) e situação da cota (excluída, contemplada ou ativa). Hoje, a startup tem acordos com algumas das principais administradoras de consórcio, como BB Consórcios, Consórcio Santander e Banrisul Consórcio. “Estamos negociando com outras”, diz Felipe.

Nem bem começou a tracionar sua plataforma e a fintech já terá concorrentes de peso. A multinacional Stefanini lançou no ano passado sua plataforma InLira. As fintechs BomConsórcio e Consorciei também têm soluções para venda de cotas de consórcios. A Consorciei, por exemplo, diz ter movimentado mais de R$ 200 milhões com essas operações desde 2018.

Desde que foi fundada, em 2017, a empresa não recebeu investimento externo, mas agora busca uma rodada seed de R$ 3 milhões e está em negociação com investidores, diz Felipe.

No ano passado, o projeto da fintech foi um dos selecionados pelo LIFT, o laboratório de inovações financeiras e tecnológicas do Banco Central e em 2021 pelo LAB, laboratório de inovação financeira da CVM, Associação Brasileira de Desenvolvimento (ABDE) e Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID).

[/et_pb_text][et_pb_text admin_label=”TAGS – NÃO MEXER” _builder_version=”4.9.5″ _dynamic_attributes=”content” _module_preset=”default” text_font=”|600|||||||” text_text_color=”#023146″ link_font=”|600|||||||” link_text_color=”#023146″ locked=”off”]@ET-DC@eyJkeW5hbWljIjp0cnVlLCJjb250ZW50IjoicG9zdF90YWdzIiwic2V0dGluZ3MiOnsiYmVmb3JlIjoiVEFHUzogIiwiYWZ0ZXIiOiIiLCJsaW5rX3RvX3Rlcm1fcGFnZSI6Im9uIiwic2VwYXJhdG9yIjoiIHwgIiwiY2F0ZWdvcnlfdHlwZSI6InBvc3RfdGFnIn19@[/et_pb_text][/et_pb_column_inner][/et_pb_row_inner][/et_pb_column][et_pb_column type=”1_3″ _builder_version=”3.25″ custom_padding=”|||” custom_padding__hover=”|||”][et_pb_signup mailchimp_list=”Finsiders Brasil|d1e4d69294″ first_name_field=”off” last_name_field=”off” success_message=”E-mail Cadastrado!” title=”Os principais empreendedores, investidores e executivos do setor leem. Junte-se a eles:” button_text=”Inscrever-se” admin_label=”Cadastro na News” _builder_version=”4.9.5″ _module_preset=”default” header_text_align=”left” background_color=”#023146″ custom_button=”on” button_text_color=”#ffffff” button_bg_color=”#0c71c3″ button_border_width=”0px” border_radii=”on|4px|4px|4px|4px” locked=”off”][/et_pb_signup][et_pb_text admin_label=”Leia também” _builder_version=”4.9.5″ header_text_color=”#023146″ header_2_text_color=”#023146″ custom_margin=”||17px|||” locked=”off”]

Leia também:

[/et_pb_text][et_pb_blog fullwidth=”off” posts_number=”3″ include_categories=”current” meta_date=”d/m/Y” use_manual_excerpt=”off” show_more=”on” show_author=”off” show_date=”off” show_categories=”off” show_excerpt=”off” show_pagination=”off” admin_label=”Artigos relacionados” _builder_version=”4.9.5″ _module_preset=”default” header_font=”|700|||||||” header_text_color=”#333333″ read_more_font=”|700|||||||” read_more_text_color=”#023146″ border_radii=”on|10px|10px|10px|10px” border_width_all=”0px” box_shadow_style=”preset2″][/et_pb_blog][/et_pb_column][/et_pb_section][et_pb_section fb_built=”1″ _builder_version=”3.22″ custom_padding=”19px|||||”][et_pb_row column_structure=”1_3,2_3″ admin_label=”Autor – Danylo” _builder_version=”4.9.6″ _module_preset=”default” custom_padding=”||0px|||” locked=”off”][et_pb_column type=”1_3″ _builder_version=”4.6.5″ _module_preset=”default”][et_pb_image src=”https://finsiders.com.br/wp-content/uploads/2020/10/Danylo-Martins-Fundador.png” title_text=”Danylo-Martins-Fundador” url=”https://www.linkedin.com/in/danylomartins/” url_new_window=”on” align=”center” _builder_version=”4.9.4″ _module_preset=”default” width=”54%”][/et_pb_image][/et_pb_column][et_pb_column type=”2_3″ _builder_version=”4.6.5″ _module_preset=”default”][et_pb_text _builder_version=”4.9.4″ text_font=”||||||||” text_text_color=”#333333″ text_font_size=”18px” header_text_color=”#ffffff” custom_margin=”17px|||||”]

Danylo Martins é jornalista com dez anos de cobertura de finanças, empreendedorismo e inovação no setor financeiro. Com MBA em mercado de capitais, é vencedor de quatro prêmios de jornalismo econômico e colabora com o jornal Valor Econômico há oito anos. Teve passagens por Folha de S.Paulo e revista Você S/A.

[/et_pb_text][/et_pb_column][/et_pb_row][/et_pb_section]

Tags:

Assine a newsletter
gratuita!

Os principais empreendedores, investidores e executivos do setor leem.
Junte-se a eles:

Siga nosso canal no WhatsApp!

Leia mais

Newsletter

Receba o Finsiders no seu e-mail