O novo plano do Linker para unir ‘banking’ com serviços de gestão

Cashback, executivo de conta e consultorias são novas apostas do Linker, banco digital que atende pequenas e médias empresas (PMEs)
O novo plano do Linker para unir 'banking' com serviços de gestão (Foto: Reprodução/site Linker)
O novo plano do Linker para unir 'banking' com serviços de gestão (Foto: Reprodução/site Linker)

Há pouco mais de dois meses, o Linker anunciou o lançamento de três planos de assinatura, nos moldes de serviços de streaming, em um claro movimento oriundo da conexão com sua controladora Omie, plataforma SaaS de ERP na nuvem. Agora o banco digital PJ dá um novo passo nesta jornada de união entre banking e serviços de gestão, seguindo a tendência do ‘beyond banking’.

Em notícia antecipada com exclusividade ao Finsiders, o Linker divulga a criação de um quarto plano de assinatura, o Ultra. A nova opção — que custa R$ 159,90 por mês — terá um pacote de serviços mais amplo e personalizado.

Entre os diferenciais estão: executivo de conta, consultorias de gestão financeira e de marketing digital, além de um cashback de 0,5% nas compras acima de R$ 50 feitas com o cartão virtual, com o dinheiro de volta direto na conta PJ.

“Depois que lançamos os três planos — Go, One e Multi —, percebemos que existia um grupo de clientes no Multi que se encontravam em um nível de aceleração maior e tinham necessidade de uma maior personalização”, explica Daniel Benevides, cofundador e Chief Product & Design Officer do Linker, em conversa com o Finsiders.

“Percebemos também que esse cliente queria alguém mais próximo da operação. Daí criamos a figura do executivo de conta, que tem um perfil consultivo e não vai vender produtos.”

Na prática, o executivo de conta é uma espécie de “gerente 2.0”. Em outras palavras, é um profissional de confiança que atuará de maneira próxima às pequenas e médias empresas (PMEs) atendidas pelo banco digital. “É uma mistura de médico de família com um concierge”, diz Daniel. “A ideia é ter o lado humano com a agilidade do digital.”

O cliente do plano Ultra terá direito, ainda, a quatro consultorias online sobre gestão financeira por ano e outras quatro sobre marketing digital. A primeira é fruto de uma parceria com a Triven, que tem um modelo de “CFO as a service”. Já o segundo tipo de serviço é oferecido pela Pareto, uma empresa de automação de processos robóticos (RPA, na sigla em inglês) que automatiza rotinas de marketing e vendas.

No caso das campanhas de mídia paga, caso a empresa ainda não tenha experiência ou conhecimento sobre essas ações, haverá um incentivo: após R$ 1,2 mil gastos nos primeiros 60 dias de uso do software da Pareto em campanhas de mídia paga em Meta Ads e Google Ads, a Pareto vai pagar outros R$ 1,2 mil.

Daniel Benevides, cofundador e CDO do Linker (Foto: Divulgação/Linker)
Daniel Benevides, cofundador e CDO do Linker (Foto: Divulgação/Linker)

O público-alvo do novo plano de assinatura são as empresas que buscam serviços para além do banking, e faturam a partir de R$ 500 mil/ano, podendo chegar a R$ 10 milhões/ano. O foco do plano Ultra é a exclusividade, personalização e o tratamento diferenciado, explica Daniel. Tanto é que outro diferencial é a possibilidade de a empresa emitir boletos com sua própria logomarca.

Segundo o executivo, dos mais de 40 mil clientes hoje na base do Linker, 80% são autônomos e profissionais liberais, e o restante (20%) são negócios de maior porte. “Quando olhamos o nível de engajamento, esses 20% são os mais engajados”, diz ele. “Nossa proposta é focada nesse perfil de cliente, que chamamos de empresas organismos, que têm mais de um sócio e mais de um decisor financeiro.”

Opções

Em agosto, o Linker lançou as três primeiras opções de planos de assinatura — Go, One e Multi. O primeiro, e único gratuito, oferece serviços bancários básicos que a fintech já disponibiliza, como operações com Pix, cartões físicos e virtuais sem anuidade e o restante do transacional no modelo “pague apenas pelo que usar”.

Com valor mensal de R$ 34,90, o plano One é voltado para autônomos e profissionais liberais e oferece também a emissão de notas fiscais de serviços, além do pacote de transações e dos cartões. “O interesse dos clientes está sendo bom. Estamos vendo aumento na seleção de planos pagos”, diz Daniel.

No Multi — que custa R$ 79,90 por mês — o público-alvo são as PMEs que já apresentam crescimento e possuem uma estrutura que demanda mais ferramentas de controle financeiro. Um dos diferenciais deste último é uma ferramenta que consolida o extrato das contas bancárias mantidas pela empresa, no primeiro movimento feito pela fintech em direção ao Open Finance.

Próximos passos

Em breve, o Linker também vai incluir uma ferramenta de “DDA inteligente”, que funciona como um buscador de boletos emitidos para o CNPJ das empresas. Para os próximos meses o banco digital prepara, ainda, o lançamento de sua maquininha de cartões, conforme David Mourão, cofundador e CEO, já havia dito ao portal Fintechs Brasil, parceiro de conteúdo do Finsiders.

“Vamos oferecer a maquininha para todos os planos. E para o próximo ano estamos preparando o lançamento do cartão de crédito”, revela Daniel, ao Finsiders.

O Linker atua como instituição de pagamentos (IP) não regulada e, para operacionalizar seus serviços financeiros, tem parcerias com a fintech Dock (fornecedor de banking as a service, BaaS) e com o banco BV (que atua como banco custodiante).

Mercado

A combinação entre banking e ERP tem crescido. Além de Omie e Linker, grandes players estão se movimentando nessa direção. O Itaú Unibanco, por exemplo, fez uma joint-venture com a Totvs. O Bradesco, por sua vez, fechou uma parceria com a SAP Brasil. Vale lembrar, ainda, que há cerca de dois anos a Stone comprou a Linx, após meses de disputa com a Totvs.

“Ao irem além do banking, conceito que vem sendo chamado de ‘beyond banking’, as instituições ampliam o relacionamento com os clientes, conseguem ter mais informações e dados, entendem o perfil de consumo e, assim, aprofundam a personalização dos serviços financeiros, oferecendo produtos mais adequados a cada perfil”, disse Bruno Diniz, especialista em inovação financeira e sócio da consultoria Spiralem, em entrevista recente ao Finsiders.

No caso das PMEs, o tamanho da oportunidade é nítido. Dos mais de 20 milhões de CNPJs ativos no Brasil, quase 94% são de micro e pequeno porte, conforme dados do Mapa de Empresas, do governo federal. Segundo o Sebrae, os pequenos negócios geram renda de aproximadamente R$ 420 bilhões por ano.

Leia também:

Franq capta US$ 12 milhões e prevê crescer no mercado PJ

Com Open Finance, Itaú lança solução de gestão financeira para PJ

BC autoriza funcionamento da fintech de crédito do Sebrae

Barte quer melhorar fluxo de caixa e liquidez das PMEs — e atraiu o GFC

Tags:

Assine a newsletter
gratuita!

Os principais empreendedores, investidores e executivos do setor leem.
Junte-se a eles:

Siga nosso canal no WhatsApp!

Leia mais

Newsletter

Receba o Finsiders no seu e-mail